A Multiforme Graça de Deus na Constituição da Família

Fala-se muito em família e padrão familiar no meio religioso. Discussões sobre qual seria o padrão correto de constituição familiar é pauta de estudos sociais, filosóficos, humanistas e teológicos. Neste último, temos os conceitos de padronização que foram preconizados pelas sociedades religiosas através dos tempos…

A família nuclear, constituída por gêneros opostos (homem e mulher) e filhos, é o padrão defendido por muitos religiosos tradicionais, que condenam qualquer outra forma de constituição, em especial as que atinem aos relacionamentos de afeto entre pessoas do mesmo sexo. Independente do sucesso que estes relacionamentos possam ter, os religiosos tradicionais os consideram uma afronta aos padrões entendidos como “corretos”.
A homoafetividade tem sido pauta de debates acirrados no meio religioso, porque as manifestações que vêm motivando estes debates procedem da parte de pessoas que são, ou foram  religiosas – homoafetivas declaradas; na visão dos religiosos, pessoas que se desviaram do que é o correto.
No entanto, é válido ressaltarmos que, em relação aos cristãos, a Bíblia nos oferece possibilidades diferentes de constituição familiar, vejamos:
  1. Família Substituta: Moisés, após ser desmamado, foi entregue à filha de Faraó, que o tomou como Filho (Êxodo 2:10) – Moisés passa a ser filho do coração da filha de Faraó. Samuel foi criado no templo pelo sacerdote Eli (1Samuel 2:18-26; 3:1)
  2. Família Monoparental: Uma família constituída por mãe e filhos, sem a presença do pai (2Reis 4:1)
  3. Família Afetiva: Nora e Sogra vivendo juntas, com votos de fidelidade e companheirismo se constituem família, não por serem homossexuais, mas por terem laços entranháveis de afetividade (Rute)
  4. Família Parental: Ester foi criada pelo seu primo Mordecai (Ester 2:7)
  5. Família Nuclear: Isaque e Rebeca e seus dois filhos (Gênesis 25:28)
  6. Família Expandida: Os que fazem a vontade de Deus são família de Jesus (Mateus 12:46-50)
  7. Família Modelo: José assumiu o papel de pai de Jesus e marido de Maria, para que se cumprisse a vontade de Deus (Mateus 1:16), apesar de tudo estar fora do padrão familiar dos Judeus. A família modelo não está fundamentada no padrão, mas no conteúdo que Deus quer que todo e qualquer relacionamento tenha, a saber, a vontade divina sobre todas as coisa.
Por estes exemplos, conclui-se que a vontade de Deus deve estar acima de conceitos e preconceitos em relação às formações familiares que temos no século XXI. A multiforme graça de Deus nos permite entender que a vontade de Deus está em movimento a favor de todos os que o temem e fazem o que é justo, pois todos estes lhe são aceitáveis.
Para além da definição etimológica da palavra família – “escravo doméstico”, família se define pelos laços de afetividade entranháveis que deve haver nos relacionamentos, sendo o amor o maior de todos os sentimentos.
Seja o vínculo maior, que é o amor, em todos os corações, pois Deus é amor!
Escrito e registrado pelo Pastor Marvel Souza
Postado há 4 weeks ago por
Share This