TEXTO POR MARVEL SOUZA
Durante nossa trajetória no meio Inclusivo, temos nos deparado com muitos cristãos que fazem da igreja uma rodoviária religiosa, onde a rotatividade de pessoas é constante e numerosa – pessoas vêm e vão sem dar satisfação alguma, elas apenas passam por ali. A maneira banal com que o congregar é tratado reflete a visão de muitos sobre igrejas que aceitam o público LGBT: “Um lugar bom, que serve para alimentar a religiosidade fugaz e ao mesmo tempo encontrar pessoas iguais. Porém, deve-se manter uma distância de segurança, pois igrejas, em especial igrejas de confissão protestante, têm suas regras de comportamento que devem ser obedecidas pelos que querem ser membros das mesmas”. Logo, concluímos que muitas pessoas não congregam constantemente, porque não querem ter seu padrão comportamental regulado por ninguém, ou porque não acreditam 100%  em igrejas que possuam uma visão afirmativa quanto a aceitação dos LGBTs. Essa descrença faz com que muitos tratem igrejas Inclusivas como grupos de autoajuda.
Esta semana, encontramos um artigo que tem tudo a ver com nossa visão sobre a importância de frequentar os cultos regulares da igreja, envolvendo-se cada vez mais com a vida e a prática da igreja.

Essa é para você meditar:

Um frequentador de igreja escreveu a seguinte mensagem para um jornal:

“Eu tenho ido à igreja por 30 anos e durante este tempo devo ter ouvido umas 3.000 pregações, mas com exceção de uma ou outra, eu não consigo lembrar da maioria delas…Por isso eu acho que estou perdendo meu tempo e os pastores também estão desperdiçando o tempo deles!”

Esta matéria divulgada no jornal gerou uma grande discussão e depois uma resposta de um leitor foi divulgada:

“Estou casado há mais de 30 anos e durante esse tempo minha esposa deve ter cozinhado umas 9.000 refeições. Mas, com exceção de uma ou outra, eu não consigo me lembrar da maioria delas, mas de uma coisa eu sei: todas elas me nutriram, me alimentaram e me deram a força necessária para fazer minhas atividades. Sem essas refeições, eu e nossos filhos estaríamos desnutridos, fracos, desanimados ou até mortos. Da mesma maneira, se eu não tivesse ido à igreja para alimentar minha vida, minha alma e a da minha família, estaríamos hoje em terríveis condições espirituais!”

Quais os benefícios de congregar:

1. Saúde para o relacionamento;
2. Vitória sobre a carne;
3. Vitória sobre as forças malignas;
4. Bênçãos espirituais;
5. Bênçãos Materiais;
6. Proteção divina;
7. Sabedoria administrativa;
8. Sabedoria para resolver problemas do dia a dia;
9. Saúde para o corpo e para a mente;
10. Vida social saudável.

Como congregar:

1. Sozinho ou acompanhado – se o seu companheiro ou sua companheira não quer, lembre-se que salvação é individual;
2. Não se deixe vencer pelo cansaço;
3. Não marque compromisso no dia de culto;
4. Não permita que visitas surpresas impeçam você de ir para a igreja – avise o horário do seu culto;
5. Se tiver um mal-estar minutos antes de sair para o culto, ore, pois pode ser uma ação maligna para tentar te impedir de congregar;
6. Procure ser pontual. Não são poucas as pessoas que não atrasam em compromissos humanos, mas quando se trata da igreja, chegam sempre atrasadas;
7. Lembre-se: congregar é uma ordem Bíblica:

“Não deixemos de nos reunir como igreja, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.” (Hebreus 10:25)

 

 

 

 

 

 

 

Share This